Uma semente chamada lealdade

Como a cultura do ser leal pode transformar nossa vida

Cultura é tudo aquilo que fazemos e nem pensamos mais em como fazemos, tamanho hábito de fazer aquilo. Estabelecemos um determinado pensamento sobre algo ou alguém antes mesmo de refletir sobre os motivos de pensarmos daquela maneira. Reagimos a determinadas situações de forma automática. Por quê? Porque estamos aculturados, automatizados, forjados a pensar, agir, reagir de tal forma. Fruto daquilo que aprendemos e deixamos entrar em nossos corações e mentes, aceitando como verdade e repetindo até que “saia para a vida”.

Vejamos o lado bom disso, que é quando os princípios automatizados em nós estão em conformidade com a Palavra de Deus. Não seria maravilhoso? Pensar, falar e agir conforme a vontade de Deus? Eis o grande desafio do cristão: moldar-se à cultura do Reino.

Lealdade faz parte da cultura de Deus e é a principal qualificação do ser humano, de um líder, de um vencedor. Não são os dons que nos qualificam para servir, mas a lealdade.

Não há como dissociar amor e lealdade. A lealdade promove, a deslealdade destrói. A lealdade leva Deus a investir, a deslealdade leva Deus a tirar a mão. O leal cai, mas se levanta, porque a vida retribui com largueza tudo o que fazemos e dizemos ao próximo.

Lealdade e deslealdade, geralmente, são passíveis de discernimento nas pequenas coisas. Na sua empresa, por exemplo, se você está só pelo seu salário você está no lugar errado, pois não está sendo leal aos princípios da instituição que escolheu. A lealdade leva a pessoa a fazer parte de todo, a querer se envolver.

Pedir emprestado e não devolver é sinal de deslealdade também. Pode ser que essa cultura venha de família, mesmo assim, é preciso combatê-la para que não se fortaleça. Interessante que, ao percebermos o sinal do desleal - nesse caso, não devolver o empréstimo – costumamos não emprestar mais, e muitas vezes ainda falamos mal do fulano que não devolveu as coisas…

Mas essa cultura também está errada. Devemos corrigir esse comportamento. Como? Emprestando novamente com entendimento: anotando, pedindo de volta, confrontando, evoluindo a conversa. As coisas emprestadas devem ter data para retornar. Do contrário, nós mesmos abrimos a porta para o descontrole e deslealdade. Mais fácil seria esquivar-se e nunca mais olhar a cara do pedichão, mas para mudar uma cultura é necessário confrontar com a verdade, dar chance para a pessoa se ajustar.

A natureza que mais se sobressai é aquela que mais desenvolvemos. Não se engane pensando que uma oração vai corrigir comportamentos deselais para sempre. “Mas eu fui sincero!” Ótimo, menos chances de dar errado, porém, assim como o crescimento, que Deus não injeta em nós como um antídoto, a lealdade também é uma semente que precisa ser desenvolvida, treinada, educada. São estágios. Portanto, não desista. É no cumprimento dos compromissos diários que você faz a lição do dia-a-dia.

Às vezes a pessoa não tem a intenção de ser desleal. Mas a verdade é que desleladade todos nós ainda vamos cometer, contudo, que não seja como cultura e sim como falha, como descontrole, um lapso.

A lealdade requer convicção plena, ela é o segredo na vida de todo cristão comprometido. Se você vai seguir alguém é importante que esteja convicto de que esta pessoa está certa, pois ser leal implica em submeter-se a princípios de autoridade.

Veja o casamento: deve começar na busca de uma ajuda para cumprir um propósito. E quando não há propósito? Eis a causa de muitos divórcios e infidelidade. Deus não dá um desígnio para alguém só para aquele tempo de vida, Ele dá para perpetuar, e é sendo leal que levamos adiante desígnios e propósitos que nos foram confiados.

Pergunte-se qual é a sua missão dentro da igreja a qual faz parte. Intercessão? Evangelização? Trabalho social? Nenhuma? Deus não investe em quem não quer uma missão.

A lealdade é baseada em princípios, e nessa cultura, ninguém tem o direito de se levantar contra quem está acima. Quem assim o faz paga caro, a história nos mostra isso. Se a pessoa acima de nós comete erros, aquela que está acima dela vai tratá-la.

Assim, se você é leal à sua igreja, combata as críticas que vêm sobre ela, sendo leal, primeiramente, às suas próprias convicções. E mais, se você não confronta quem fala mal de um líder, é sinal de que está apoiando tal atitude.

Você pode querer saber: que crédito há em honrar uma autoridade? E a resposta é: você será honrado também. Nada lhe faltará no cumprimento dos seus deveres. Na cultura do Reino de Deus funciona assim: quando você se coloca debaixo de um teto espiritual, a benção vem de cima, o maior abençoa o menor.

Um abraço afetuoso.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Sobre nós

A igreja precisa ter suas convicções firmadas nos princípios da Palavra, com uma postura ética e coerente com aquilo que propõe para a sociedade. 

Esperamos por Você

(51) 3582-3620
R. Sobradinho, 301

Novo Hamburgo/RS 

comunicacao@mbcv.org

CNPJ - 919952410001-73

© 2018 por Comunicação e Marketing MBCV