Governança e reputação na carreira

Em época de Lava-Jato, um dos aspectos essenciais para a gestão de carreira é o cuidado com a transferência da reputação da empresa, para a imagem do profissional. O mercado de trabalho costuma ser muito mais cruel do que o sistema judiciário.


Nos tribunais, cada executivo consegue delimitar sua responsabilidade. Um inocente não vai para a cadeia num sistema com tantos recursos e instâncias.


Já no mercado de trabalho, o jogo é velado. Alguém que trabalha numa empresa envolvida em escândalos poderá ser elimado de um processo seletivo, sem chance de defesa. A regra favorita dos recrutadores é: na dúvida, não contrate.


Esse jogo corporativo ganha contornos mais dramáticos para profissionais de média gestão. Longe das decisões estratégicas e da corrupção, ficam apenas com os danos de imagem, e o impacto da reputação duvidosa da empresa na sua carreira.


Nesse cenário mais complexo, é fundamental fazer uma análise criteriosa da organização em que se vai trabalhar. Pesquisar informações e avaliar o risco do contratante faz parte do processo seletivo que o profissional precisa fazer. Não basta ser escolhido por uma empresa, é necessário avaliar a imagem da companhia no mercado. Esse levantamento de referências serve para minimizar o risco.


Essa missão não é fácil. Com alto nível de desemprego e informações que não são fáceis de ser obtidas, essa seleção de empresas é um desafio.


E quando se está trabalhando numa empresa com reputação abalada, é importante avaliar os riscos de continuar. Se a situação se mostra de alta repercussão, e a imagem da empresa está se deteriorando, uma mudança de emprego deve ser planejada.


No novo mundo do trabalho, em que cada profissional deve ser o protagonista da sua trajetória, surge um capítulo novo na condução da vida profissional: é a governança na carreira. As empresas precisam de um conjunto de regras que garantam sua perpetuidade. O mesmo vale para um profissional.


A definição de um conjunto de valores e regras para gerir a carreira precisa ser construído. Nesse conjunto, a idoneidade do local onde trabalhar é peça fundamental. Quando os valores e as crenças não estiverem mais em sintonia, é hora de partir para outro projeto. Saber medir o fim desse ciclo é uma missão indelegável.


*Rafael é Sócio Fundador e CEO da Prodituve Carreiras e Conecçoes com o Mercado

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Sobre nós

A igreja precisa ter suas convicções firmadas nos princípios da Palavra, com uma postura ética e coerente com aquilo que propõe para a sociedade. 

Esperamos por Você

(51) 3582-3620
R. Sobradinho, 301

Novo Hamburgo/RS 

comunicacao@mbcv.org

CNPJ - 919952410001-73

© 2018 por Comunicação e Marketing MBCV