A fé que transforma a cultura

Como um jovem monge, Martinho Lutero odiava a Deus. "Eu não amo, antes, odeio o Deus justo", escreveu ele. Lutero tremia com medo ao pensar como Deus poderia julgá-lo. Até, é claro, que ele começou a entender que o evangelho não é uma mensagem de medo e julgamento, mas de boas novas e grande alegria.


Lutero percebeu que Deus não está nos pedindo para ganhar seu amor e aceitação de qualquer maneira. A justiça de Deus é algo que Ele compartilha conosco como presente. A aceitação diante de Deus, o perdão e a paz com Ele podem ser recebidos com fé ou confiança simples.

"Senhor", disse Lutero com êxtase: "senti que nasci de novo e entrei no próprio paraíso através de portas abertas".


Lutero tinha se juntado a um mosteiro para fazer boas obras para Deus. Mas ele descobriu que Deus não necessita de nossas boas obras. Lutero, portanto, encorajou os cristãos, em vez de se retirarem para os mosteiros, para sair para o mundo. Tendo sido amado primeiro por Deus, eles poderiam sair para amar e servir os outros.


Através da Reforma, uma maré de melhoria social e cultural foi desencadeada.


Bach: compositor de alegria

Johann Sebastian Bach, foi um ardente luterano, quando satisfeito com suas composições musicais, Bach escreveria sobre elas "S. D. G." - Soli Deo Gloria (Glória a Deus somente). Ele desejava que a sua música fosse uma expressão da beleza e glória de Deus, tocando o coração de Deus como o coração dos homens.


A glória de Deus, ele acreditava, poderia ser vista através de um pôr-do-sol, estrelas, picos de montanha e música, trazendo alegria, onde quer que seja apreciado. E o gozo dessas coisas pode levar as pessoas a apreciar o Seu Criador.


Deus, segundo Bach, é para ser apreciado. Na verdade, a felicidade mais profunda e satisfatória só pode ser encontrada no conhecimento de Deus.


Os abolicionistas: cruzados pela misericórdia

Considere também os herdeiros da Reforma dos séculos 18 e 19, que fizeram campanha pela abolição do tráfico de escravos. Talvez o mais conhecido seja William Wilberforce, o parlamentar britânico, e Jon Newton, o ex-escravo e autor do hino "Amazing Grace". "Deus Todo-Poderoso", escreveu Wilberforce, "colocou diante de mim dois ótimos objetivos, a Supressão do Comércio de Escravos e da Reforma dos Costumes [isto é, moral]". Wilberforce foi fortemente encorajado em seu trabalho contra a escravidão por John Wesley, o evangelista e fundador do Metodismo, que escreveu sua última carta para exortar Wilberforce.


A escravidão é totalmente inconsistente com a misericórdia, argumentou Wesley. É exatamente o oposto da bondade libertadora de Deus, que foi proclamada na Reforma. Wesley, portanto, lutou e orou pela emancipação dos corpos e almas africanos: “O Senhor explodiu todas as suas correntes, mais especialmente as correntes dos seus pecados; Tu és o Salvador de todos, faze-os livres, para que sejam livres de verdade”.


E sua oração foi respondida: o sucesso dos abolicionistas em relação à escravidão foi acompanhado de um crescimento dramático no cristianismo negro.


Shaftesbury: o grande filantropo Quando William Wilberforce morreu em 1833, seu funeral foi atendido por outro líder da Reforma, Anthony Ashley Cooper. Mais tarde intitulado Lord Shaftesbury, ele se tornaria conhecido como "o grande filantropo".


Entregando-se a Deus depois de ler o mesmo livro que converteu Wilberforce ao cristianismo, ele havia resolvido, "com a ajuda de Deus", dedicar a sua vida "para implorar a causa dos pobres e desamparados".


O que ele fez com uma energia irresistível por mais de cinquenta anos. Através do Parlamento, ele lutou contra a venda de meninas na prostituição, proibiu o emprego de meninos como limpadores de chaminés, estabeleceu horas de trabalho, para acabar com o cruel abuso de trabalhadores pobres e transformou as condições anteriormente repugnantes dos manicômios de Londres. Ele forneceu educação, alimentação e habitação para os pobres - e a lista poderia continuar por páginas.


Tendo experimentado a compaixão amorosa do próprio Cristo, ele queria compartilhá-Lo. Afinal, ele disse: "essas reformas sociais, tão necessárias, tão indispensáveis, parecem exigir tanto da graça de Deus como uma mudança de coração".


Ninguém pode persistir desde o início de sua vida até o fim em um curso de abnegação, generosidade e virtude, a menos que isso esteja saindo da fonte de nosso próprio Senhor.


O que Martin Luther descobriu na Bíblia puxou-o para fora do desespero e fez com que ele sentisse que "entrou no próprio paraíso através dos portões abertos". Nada sobre essa mensagem mudou, ou perdeu seu poder para alegrar as vidas hoje.


*Luiz Corrêa é Filósofo e Logoterapeuta. Desenvolve projetos de Evangelização, Educação e Desenvolvimento Comunitário no continente africano.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Sobre nós

A igreja precisa ter suas convicções firmadas nos princípios da Palavra, com uma postura ética e coerente com aquilo que propõe para a sociedade. 

Esperamos por Você

(51) 3582-3620
R. Sobradinho, 301

Novo Hamburgo/RS 

comunicacao@mbcv.org

CNPJ - 919952410001-73

© 2018 por Comunicação e Marketing MBCV