O Andar Que Cura

O que nos move, o que nos motiva a fazer o bem, será amor ao próximo? Às vezes penso que é por vaidade, satisfação do ego, projeção pessoal. Essa pergunta me inquieta: qual a motivação de cada um?


Sei que o amor de Deus nos constrange, que somos eternos devedores, e nada do que fizermos será suficiente para se igualar ao preço que foi pago por nossas vidas. E isso nos move, mas será que todos, ao longo de sua caminhada, continuam sendo movidos por esse amor, ou outros desejos e intenções começam a guiar os corações? "Ele te declarou ó homem o que é bom e o que requer de ti: que pratiques a justiça, e ames a benevolência, e andes humildemente com teu Deus”. Mq 6.8


Isso fala de fazer o bem e andar em humildade diante de Deus e do próximo.

No Salmo 82, Deus nos declara que "somos deuses, somos todos filhos do Altíssimo".

Significa que somos representantes do Senhor. Como chegamos diante de alguém com necessidades: como deuses, olhando o outro como inferior, ou como um igual, também sendo filho do Altíssimo?


Começamos como eternos devedores, movidos de grande paixão na prática do bem, sendo solução para o próximo, com vida dedicada a serviço do Reino. É esperado que destaque e reconhecimento acabem vindo por consequência. Nessa hora, a vaidade pode fazer nos sentirmos como deuses, falsos deuses.


Para sermos igual a Ele, devemos ter a sua natureza, os seus atributos dentro de nós, que são amor, graça, misericórdia, bondade. É o amor que não se ufana, que não se ensoberbece.


No próprio Salmo 82 Deus declara: "fazei justiça ao fraco e ao órfão, procedei retamente para com o aflito e o desamparado. Socorrei o fraco e o necessitado, tirai-os das mãos dos ímpios. Eles nada sabem, nem entendem; vagueiam em treva”.


Quando o Senhor diz que somos deuses é isso que ele requer de nós: atender, socorrer e apontar a direção a seguir, acompanhando nos primeiros passos.

E quanto à vaidade, deixaremos ela nos dominar? Resistiremos a ela como Deus resiste ao soberbo? Ou voltaremos à essência do primeiro amor?


"Se eu, no coração contemplara a vaidade o Senhor não me teria ouvido. Entretanto Deus tem me ouvido e me tem atendido a voz da oração. Bendito seja Deus, que não me rejeita a oração, nem aparta de mim a sua graça." Salmo 66.18-20. Esse é o amor que cura!

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Sobre nós

A igreja precisa ter suas convicções firmadas nos princípios da Palavra, com uma postura ética e coerente com aquilo que propõe para a sociedade. 

Esperamos por Você

(51) 3582-3620
R. Sobradinho, 301

Novo Hamburgo/RS 

comunicacao@mbcv.org

CNPJ - 919952410001-73

© 2018 por Comunicação e Marketing MBCV