Aprendendo a "ser pai"

A paternidade é uma tarefa que existe há muito tempo, e que carrega consigo algumas características histórico-sócio-culturais, formando, pelo exemplo, um indivíduo que levará uma marca positiva ou negativa para o resto da vida. A função paterna pode ser exercida por alguns personagens de uma família, por exemplo: tio, irmão, avô, amigo, mãe, mas o ideal é que seja o pai biológico mesmo. Essa função, sendo exercida de maneira adequada, colabora para a construção de uma vida.


Portanto, o aprendizado de “ser pai” leva em consideração o ensino-estudo sobre o assunto, ou seja, esse conhecimento é construído pelos exemplos que tivemos e pelo quanto buscamos aprender dessa função. Mas é a prática de “ser pai” que dá vida a esse acúmulo de teorias.


Aqui compartilho brevemente algumas experiências que podem lhe ajudar a pensar no tema. Vou tratar o assunto por “tempos”, para que você entenda este elemento como chave nessa aventura de “ser pai”.


Tempo de planejamento: sim, planejar a vinda de um ser humano ao mundo é muito importante, pois ele vai interferir diretamente na história da humanidade, e isso não é brincadeira, apesar de trazer muita alegria. Portanto, use de tempo para planejar.


Tempo de gestação: esse período é muito importante para a mãe e o bebê em formação, para que os dois tenham condições de desenvolvimento saudável física e emocionalmente. E aí entra o pai, fornecendo suporte, carinho, segurança e compreensão. Detalhe: aqui parece que ainda não nos “ligamos” ao que está acontecendo.


Tempo de nascimento: é aqui que "o bicho pega" e você se liga! Fazer parte desse momento é maravilhoso, sofrendo junto com as dores, dando suporte e ânimo, nem que seja apenas segurando a mão de sua mulher. Ah, se você é daqueles que tem problema com sangue, sugiro que se prepare para manter o equilíbrio emocional.


Tempo de recém-nascido: a prática nem sempre é como a teoria! Aqui você vê a necessidade de ter oito braços para segurar todos os membros dessa criança (na verdade precisa só de dois braços mesmo). Nesse momento, não basta ser pai: tem que colocar para arrotar após a amamentação; tem que limpar o resto de leite que volta quando eles bebem demais (que tem cheiro de azedo); tem que aquecer a água para dar banho com todo cuidado (e o medo de deixar a criança cair na água); tem que limpar bem o “coto” (pedaço de cordão umbilical que a gente acha que dói, mas não dói); tem que cuidar o movimento da barriga para verificar se o bebê está respirando (isso é bem coisa de pai); tem que limpar o cocô (que fede mesmo); passar pomada e trocar a fralda (nunca fica do jeito que você gostaria); tem que acordar junto na hora da amamentação que acontece várias vezes na noite (nem que seja para olhar para mulher e dar aquele apoio moral, tipo: "você consegue e eu estou aqui querida").


Tempo de brincar: nesse momento desconstrua suas teorias pré-estabelecidas sobre brincar e seus limites adultos para brincadeiras, pois tudo se torna brinquedo, e várias são as possibilidades e situações para esse acontecimento. Não importa se você está cansado ou preocupado com os compromissos, seu filho(a) precisa de você para criar e inventar.


Então vamos lá: montar pecinhas de lego e outras peças que nem se encaixam; pintar com tinta, lápis e giz inúmeras folhas onde você não vê sentido algum naquilo que eles dizem ser um sol, borboleta, etc; fazer comidinha “de continha”, comer e se sentir satisfeito com ela; montar casinha com travesseiros, cobertas e o que mais tiver por perto; vestir bonecos e bonecas, e fazer uma grande festa de aniversário decorando o nome de todos eles; pular; correr; saltar; andar de bicicleta; jogar bola; se sujar; ufa!


Tempo de tecnologia: fato é fato e não muda, o que muda é nosso pensamento e sentimento em relação ao fato. E o fato é que a tecnologia faz parte da nossa vida e da vida de nossas crianças. Logo, precisamos olhar desenhos, filmes, vídeos, livros com eles, definindo se aquele conteúdo é adequado para o desenvolvimento de nossos filhos, mostrando o que é bom, colocando limites no tempo de uso dessas ferramentas.


Tempo de ensinar princípios e valores: demonstrar, através de atitudes, alguns compromissos. Com a casa e ambientes: limpando e organizando; com as pessoas: ajudando e respeitando; com os sentimentos: sorrindo e chorando; com a igreja: participando das atividades e cultos; com Deus: orando e lendo a bíblia, ensinando que Deus e Jesus são nosso maior e melhor modelo de Pai e Filho. Esse tempo ocorre constantemente nos nossos relacionamentos, pelos lugares por onde transitamos com eles.


Concluindo, tempo de qualidade e quantidade, com boa intenção, esforçando-se e com muita concentração, com firmeza, afeto, respeito e amor, cooperando para o desenvolvimento de uma pessoa que possa se tornar um filho(a) de Deus, com boa autoestima e altruísmo. Ensinando a criança o caminho em que deve andar, ou seja, junto com ela, para que mesmo depois de envelhecer, ela não se desvie dele. Aprenda, “sendo pai”.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Sobre nós

A igreja precisa ter suas convicções firmadas nos princípios da Palavra, com uma postura ética e coerente com aquilo que propõe para a sociedade. 

Esperamos por Você

(51) 3582-3620
R. Sobradinho, 301

Novo Hamburgo/RS 

comunicacao@mbcv.org

CNPJ - 919952410001-73

© 2018 por Comunicação e Marketing MBCV