A saúde mental e a socialização Como o convívio social pode auxiliar no tratamento de transtornos me

O tema saúde mental tem estado em pauta nos últimos anos. Tanto a população tem buscado mais informações, quanto os meios de comunicação e os sistemas de saúde têm trazido para o debate a questão de olhar para além da saúde física. No entanto, é notável o aumento do sofrimento psíquico em nossa sociedade. Os motivos são diversos: sociais, políticos, econômicos, pessoais e profissionais.


Discutir questões de cunho coletivo e social é de extrema necessidade para a compreensão da saúde mental, pois estes afetam significativamente a condição psicológica dos indivíduos, uma vez que somos seres sociais e construímos relações cotidianamente com outros seres humanos. Neste ponto, é preciso trazer o conceito de clínica ampliada, que se trata de uma metodologia de inserção e intervenção social para o tratamento de pessoas com transtornos mentais.


A história da psiquiatria nos mostra que o isolamento do dito “louco” em instituições totais (FOCAULT, 1975), como hospícios ou instituições penitenciárias, não contribuíam para a melhora dos sintomas das doenças psíquicas, apenas excluía os sujeitos da vida em sociedade permanentemente e muitas vezes prematuramente. Este isolamento inclusive piorava o quadro dos pacientes, tirando o desejo e a humanidade dos indivíduos.


Com a lei da reforma psiquiátrica de 2001 n°10.2016 (apesar de o movimento antimanicomial ter seu início em meados de 1990), foi determinado que o tratamento de pessoas com transtornos deveriam ser realizados em hospitais gerais e por tempo determinado, quando fosse o caso de internação.


Para o tratamento de crises, mas sem indicação de internação, foram criados os CAPS (Centro de atenção Psicossocial) que são serviços do SUS especializados para saúde mental, que tem a premissa de cuidar em liberdade; outro serviço que pode ser acessado para o tratamento em saúde mental é a UBS, com tanto que o paciente não esteja em crise, neste local será realizado acompanhamento continuo e observação do quadro.


Por fim, destaco que a mudança no cenário da saúde mental, demonstrou que tratar transtornos mentais deve ser realizado em conjunto com a sociedade, utilizando estratégias coletivas (grupos, oficinas e inserção na comunidade), ou seja, a pessoa em sofrimento deve receber tratamento gratuito e inserido na sociedade como qualquer cidadão.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Sobre nós

A igreja precisa ter suas convicções firmadas nos princípios da Palavra, com uma postura ética e coerente com aquilo que propõe para a sociedade. 

Esperamos por Você

(51) 3582-3620
R. Sobradinho, 301

Novo Hamburgo/RS 

comunicacao@mbcv.org

CNPJ - 919952410001-73

© 2018 por Comunicação e Marketing MBCV